segunda-feira, 21 de agosto de 2017

PSB PRÓXIMO DE SE LIVRAR DO “ENCOSTO” ROBERTO ROCHA

Blog do Jorge Vieira - Com a eleição do deputado Bira do Pindaré para presidente do Diretório Municipal do PSB de São Luís e a manutenção do prefeito de Timon, Luciano Leitoa, no comando do Diretório Estadual, o senador Roberto Rocha, o “Asa de Avião”, sem espaço e sem ambiente junto a militância, está com os dias contados na legenda socialista e já encaminha a transferência de filiação para o PSDB, legenda sem convicção ideológica e que sempre anda em cima do muro.

Rocha é um político que carrega com ele o vírus da traição. Nunca trabalhou na vida, vive do que o pai ex-governador conseguiu acumular nos quatro anos em que esteve a frente do Governo do Maranhão, mas ainda assim tem fama de caloteiro, sonegador de imposto de renda. Até a conta de energia da Rádio Capital já foi cortada por falta de pagamento. Seus funcionários então há muito tempo não sabem o que é receber salário e sua reputação junto a classe política anda no chão.

Conversei este fim de semana com um dirigente de partido político que esteve conversando com o ex-prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira, que lhe assegurou que está tudo certo com a direção nacional do PSDB para receber o senador traíra de volta e torna-lo candidato ao Governo do Estado em 2018. A data da mudança de legenda ainda não foi decidida, mas a militância socialista já começa fazer festa para apresentar a Roberto Rocha a porta da rua como serventia da casa. E já vai tarde, pois só atrapalhou o crescimento da legenda durante o tempo em que esteve travestido de socialista.

Sob o comando de Luciano e Bira, o PSB volta a ser comandado por políticos, de fato, socialistas, assegurando assim a presença do partido na aliança que apoiará a reeleição do governador Flávio Dino (PCdoB). E foi este sentimento que fez a militância explodir de felicidade, visto que o senador, que tentou várias vezes, sem sucesso, tomar o comando do PSB pretendia usar a legenda apenas para resolver seus interesses pessoais.

Os dirigentes do Partido Socialista Brasileiro perceberam as intenções de “Asa”, tempos atrás, quando mantiveram o comando da sigla com Luciano Leitoa, mesmo Rocha tendo um mandato de senador dado pelo governador Flávio Dino, e agora, finalmente vão fazer o que sempre estiveram dispostos: mandar “Asa” de volta para o convívio da oligarquia Sarney, seu berço de origem.