segunda-feira, 5 de junho de 2017

Ribamar é a 4ª cidade mais violenta do país, aponta estudo

UOL – Do ranking dos dez municípios mais violentos do país, oito estão situados na região Nordeste, segundo o Atlas da Violência 2017, divulgado nesta segunda-feira (5). Homicídios cresceram 22,7% em dez anos no país, aponta Atlas da Violência.

O estudo, que analisa os dados mais recentes do Ministério da Saúde, referentes ao ano de 2015, utiliza como critério a soma das taxas de homicídio e de mortes violentas com causa indeterminada (índice classificado pela sigla “MVCI”). São consideradas apenas as cidades que possuem população superior a 100 mil habitantes.

Apesar da predominância do Nordeste, o município que lidera este ranking é Altamira, no Pará. Em 2015, tinha pouco mais de 108 mil pessoas e uma taxa de homicídio somada com as MVCI calculada em 107 –quase dez pontos a mais do que Lauro de Freitas, na Bahia, que ficou na segunda colocação (97,7).

Veja a seguir o ranking das cidades mais violentas:

1º – Altamira (Pará), com taxa de 107 homicídios por 100 mil habitantes

2º – Lauro de Freitas (Bahia), taxa de 97,7

3º – Nossa Senhora do Socorro (Sergipe), com 96,4;

4º – São José de Ribamar (Maranhão), com 96,4;

5º – Simões Filho (Bahia), com 92,3;

6º – Maracanaú (Ceará), com 89,4;

7º – Teixeira de Freitas (Bahia), com 88,1;

8º – Piraquara (Paraná), com 87,1;

9º – Porto Seguro (Bahia), com 86,0;

10º – Cabo de Santo Agostinho (Pernambuco), com 85,3.

Além de Altamira, na região Norte, a cidade de Piraquara, no Sul, destoava da tendência observada no ranking. O município paranaense tem a menor população (104.481 pessoas) entre os dez mais violentos. Na lista das 30 cidades com a maior soma da taxa de homicídios e das mortes violentas sem causa determinada, segundo o Atlas da Violência, o Norte e o Nordeste do país possuíam 22 municípios neste ranking.

No estudo, os pesquisadores afirmam que a violência cresce à medida que “as transformações urbanas e sociais acontecem rapidamente e sem as devidas políticas públicas preventivas e de controle, não apenas no campo da segurança pública, mas também do ordenamento urbano e prevenção social”. “Ou seja, a qualidade da política pública é um dos elementos cruciais que podem conduzir à diminuição das dinâmicas criminais.”

Na outra esfera de análise, o Atlas da Violência elencou os 30 municípios que eram considerados, em 2015, os mais “pacíficos” do país, também,  considerando apenas aqueles com mais de cem mil habitantes. O destaque foi Jaraguá do Sul, em Santa Catarina, com índice de 3,7 (taxa de homicídios somada com MVCI).

No geral, no ranking das 30 cidades com melhores resultados, a maioria estava no Sudeste (24 municípios, dos quais 19 em São Paulo).