quarta-feira, 31 de maio de 2017

SARNEY TERIA INTERESSE EM PERMANÊNCIA DE TEMER PARA SALVAR ROSEANA

Alan Santos/PR

Blog do Jorge Vieira - De acordo com o jornal O Globo desta quarta-feira (31), o ex-presidente José Sarney continua sendo líder de um grupo importante de senadores e caciques no Congresso. Mesmo aos 87 anos, Sarney mantém influência e controle sobre parlamentares e até mesmo sobre o presidente Michel Temer (PMDB). Segundo a publicação, Sarney teria ido ao Palácio do Jaburu se reunir com Temer no último sábado (27). Lá o oligarca teria permanecido por mais de duas horas e enfatizado ao presidente para que ele não renuncie o cargo. Um dos motivos: Sarney está preocupado com o financiamento da campanha da filha Roseana nas eleições do próximo ano.

Em 2018, Roseana Sarney (PMDB) não contará com a “ajuda” do Palácio dos Leões em sua campanha. A única vez que ela não usou a máquina do governo do Estado para concorrer foi em 2006, ano em que Roseana perdeu as eleições para Jackson Lago. Depois da derrota, seu pai teve que usar sua influência política no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para, no tapetão, derrubar Lago e alçar Roseana novamente ao poder.

José Sarney conta com recursos do governo Federal para alavancar a campanha de sua filha, que ainda está indecisa se disputará uma vaga no Senado ou o governo do Maranhão contra o favoritismo do atual governador Flávio Dino (PCdoB), que segue bem nas pesquisas de aprovação, com mais de 60% de aceitação popular entre os maranhenses.

Ciente de que não poderá contar com a máquina estadual em 2018, Sarney articula a manutenção de Temer na presidência e do seu grupo político no comando do Senado até o início da corrida eleitoral.

Segundo O Globo, Sarney tem atraído outros parlamentares fora de seu círculo habitual, que querem ouvir sua experiência em momentos de crise. Conhecido pela maestria política, na década de 1980 ele travou uma batalha no Congresso para impedir que seu mandato fosse reduzido para quatro anos e acabou ganhando, ficando entre 1984 e 1989 no Planalto.