domingo, 21 de maio de 2017

PSB deixa a base do governo Temer; e agora, Roberto Rocha?

Apaixonado pelo governo Michel Temer, o senador Roberto Rocha deve deixar o PSB. Ocorre que o partido oficializou a saída da base do governo, pediu a renúncia do presidente Temer e inclusive já assinou o pedido de impeachment.

“Nunca fomos governo porque desde o começo nos negamos a indicar cargos, muito embora tenha um ministro indicado por setores do partido”, disse o presidente do PSB, Carlos Siqueira. “O ministro não é indicação do partido. Já sugeri que ele deixasse o cargo, ele admitiu que em 24 horas iria pensar. Portanto, ele tem liberdade para ficar, mas não em nome do partido”, afirmou texto de carta da legenda neste sábado.

O PSB também definiu fechar questão a favor da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que estabelece a realização de eleições diretas caso a Presidência da República fique vaga.

Em tese, isso significa que os parlamentares da sigla ficam obrigados a votar a favor da PEC apresentada pelo deputado Miro Teixeira (Rede-RJ) sob pena de expulsão da legenda.

Roberto Rocha disse logo um dia após estourarem as denúncias que iria esperar mais provas. Neste sábado, Roberto Rocha postou uma frase enigmática:

“Estamos esgarçando demais com a convivência democrática. Tudo tem limite, e já passamos do limite de 1964. É preciso refletir sobre isso”. Estaria Rocha pedindo uma nova ditadura militar?

Blog do Clodoaldo Corrêa