quinta-feira, 6 de abril de 2017

“Quero liberdade”, diz Holandão ao justificar saída da base governista


Gilberto Léda - O deputado estadual Edivaldo Holanda (PDT) comentou hoje (6), pela primeira vez publicamente, a sua decisão de deixar a base de apoio ao governador Flávio Dino (PCdoB) na Assembleia Legislativa (saiba mais).

Em entrevista ao Blog do Gilberto Léda ele explicou o motivo da sua decisão.

“Eu quero liberdade, uma liberdade maior no plenário para analisar determinadas matérias e ter meu posicionamento bem mais próximo da comunidade do estado que me elegeu”, disse.

Segundo ele, não procede a informação de que, em algum momento, ele tenha pensado em deixar o PTC para filiar-se ao PEN, ou mesmo juntar-se ao partido para votar em bloc.

“Eu deixei o bloco, não foi com a intenção de deixar o meu partido. Também não deixei meu bloco para votar com determinado partido, a minha votação é pessoal, é minha, é individual, a análise é minha, a liberdade é minha de votar. Eu não vou votar com a orientação de A, B ou C”, acrescentou.

O petecista também ressaltou que ainda não conversou com o filho, o prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior (PDT), após a tomada de decisão. O pedetista é um dos principais aliados do governador.

“Eu não conversei com ele depois disso. Está com dois dias que eu não o encontro. A decisão é minha, não tinha como compartilhar com ele, nem com ninguém. Foi uma decisão pessoal”, completou.

Holandão afirmou, ainda, não esperar nenhum tipo de retaliação por parte do Palácio dos Leões. “Não acredito, o governador é um estadista”, concluiu.

Pressão

Após a sessão plenária desta quinta-feira, o deputado Levi Pontes (SD) foi o escalado pelo governo para tentar demover Edivaldo Holanda da ideia.

Valendo-se de uma “amizade antiga”, o governista passou alguns minutos numa conversa de “pé de ouvido” com Holandão (veja ao lado).

A “cantada”, contudo, parece não ter surtido muito efeito.