domingo, 12 de março de 2017

Índios em perigo



Por Mello Branco/Folha de São Paulo

BRASÍLIA - O alerta é de Marina Silva: os direitos dos índios estão ameaçados pelo avanço dos ruralistas no Congresso e no governo Temer. A preocupação da ex-senadora aumentou após a nomeação do novo ministro da Justiça, Osmar Serraglio. Ligado ao agronegócio, ele disse à Folha que a demarcação de terras não "enche barriga" de ninguém.

"A não demarcação das terras indígenas é que condena essas comunidades à fome e destrói seu modo de vida", reage Marina. "O agravamento do retrocesso já é patente, e o maior temor é o de aumento da violência contra os índios", acrescenta.

Para a ex-ministra do Meio Ambiente, os últimos meses já foram marcados por más notícias: "O presidente Temer entregou a Funai ao PSC, congelou seu orçamento no patamar de dez anos atrás e paralisou os processos de demarcação de terras".

Ela atribui o início dos retrocessos à gestão Dilma Rousseff, muito criticada pelas ONGs que militam no setor: "O governo de Dilma e de seu vice, agora na Presidência, foi reconhecidamente o que menos fez em 30 anos pela demarcação de terras e pela garantia dos direitos indígenas assegurados na Constituição".

A indicação de Serraglio alarmou a ex-senadora porque a pasta da Justiça é a responsável pelas políticas que afetam a vida dos índios. "Temer nomeou um ministro politicamente identificado com uma das partes do conflito, os ruralistas", diz ela.

"Com isso, o governo sinaliza que se exime das suas obrigações, e o presidente assume uma enorme responsabilidade frente às violências que venham a ser praticadas contra índios, além do aumento das invasões de suas terras", avisa.

Com a memória de lutas ao lado de Chico Mendes, Marina só vê um meio de frear as ameaças: a mobilização dos índios, que marcharão até Brasília em abril, e o apoio da opinião pública. "O aumento da capacidade de resistência deles é o caminho para empatar e reverter o retrocesso", aponta a ex-ministra.